Anunciantes em vídeo

Anunciantes

O criminoso fez o que todo criminoso faria: ignorou a dor alheia e priorizou apenas seus próprios interesses. No caso de Nícolas Maduro, o crime ainda é mais hediondo, porque ele se volta contra seu próprio povo, sangrando-o e impedindo que ele receba alimentos. Que morra de fome, a multidão de venezuelanos, desde que isso signifique a manutenção do poder do ditador e sua troupe! Não há mais como tentar cobrir o sol com a peneira. Maduro prefere que seu país seja destruído, que seu povo se torne alvo das armas do próprio Exército, que deveria defender a multidão faminta e sofredora, do que deixar o governo que ele usurpou, via eleição fraudulenta. Os ditadores, sejam eles de direita ou esquerda, são sanguinários e cegos pelo poder. No caso de Maduro, ele e seus seguidores, certamente desesperados, porque se forem defenestrados, terão que responder por seus crimes, não há outra alternativa a não ser se manter pela força. E só através dela deixará seu povo livre. Que ninguém se engane: os vizinhos e vários países que poderiam ter ajudado os venezuelanos a se livrarem dessa corja criminosos, preferiram lavar as mãos, inclusive o Brasil e agora resta muito pouco  a fazer, em termos de negociações políticas. Na fronteira com o Brasil e com a Colômbia, o sábado foi de temor, violência, ataques a forças militares por manifestantes e do uso da força contra o povo, por parte do Exército do ditador. Duas mortes de índios, aliás, foram as primeiras, praticadas pelos assassinos de Maduro. Os defensores das minorias, tanto no Brasil como em vários países, sequer abriram a boca para protestar contra essas mortes. Se fosse um governo de centro ou de direita que tivesse praticado tal brutalidade contra indígenas, parte do mundo tremeria, com os protestos e os discursos desses malandros, que, quando a parceria ideológica pratica crimes, fazem de conta que nada aconteceu.

O governo da Venezuela, ilegítimo, pois venceu uma eleição eivada de falcatruas e ilegalidades, está prestes a se lançar em um confronto que pode se tornar sangrento, por envolver vários vizinhos que, infelizmente, só agora começaram a se mobilizar em defesa de milhões de famintos e desesperados. Maduro tem grande apoio da esquerda brasileira, que cala ante a violência contra os índios, por exemplo e contra os pobres e mostra toda a sua covardia, porque defende o indefensável.  Quando um governante, para se manter no poder, se volta contra seu próprio povo, é porque não há mais saída. A Venezuela chegou ao fundo do poço. Preparemo-nos para o pior, se não nesse domingo, se não na segunda, mas certamente nos próximos dias. A pouco mais de mil quilômetros de Rondônia, em linha reta, estamos prestes a ver um confronto militar que pode se tornar sangrento. Maduro e seus asseclas, ao que parece, só sairão do poder pela força. Não há, no horizonte, outro vislumbre para o final desta tragédia humana. Torçamos para que o Brasil consiga não se envolver neste perigoso conflito que vem por aí.

 

 

 

 

O EXAGERO DA AÇÃO DA PM

Na cor local, um protesto, pacífico e apenas com banners e faixas, de estudantes reclamando contra o fim da tarifa social para os ônibus da Capital (passou de 1 real para 1,90), teria sido reprimido com exagero pela Força Tática da PM. A queixa foi feita a professores e advogados, essa semana e repercutiu inclusive em sites de notícias, como o Rondonia Dinâmica. Os estudantes  teriam tentado escapar da pressão dos militares, escondendo-se na Unir do Centro, onde foram cercados. Um deles teria sido atingido com spray de pimenta, jogado à queima roupa. A PM alegou que só estava tentando organizar o trânsito, num momento de grande movimento no centro de Porto Velho. Mas não usou sua equipe de Policiamento de Trânsito, mas sim a força repressiva. Uma situação dessas merece esclarecimento da instituição. Porque, ao que se sabe, ainda vivemos num regime democrático, onde são livres as manifestações e protestos, desde que pacíficas e dentro da lei. Certamente houve alguma ordem errada, que, espera-se, não se repita em eventos como os que se registraram com o grupo de estudantes.

 

QUEM QUER ESSE PEPINO?

Por falar em ônibus, nessa próxima semana a Prefeitura da Capital deve lançar a concorrência para o novo consórcio do transporte coletivo. Tudo está sendo preparado para isso. Só tem um probleminha: até agora, pelo menos, não apareceu nenhuma empresa interessada. Pode ser até que surja, mas há muitas dúvidas de que haja alguém que queira assumir um serviço deficitário. Uma das empresas do consórcio SIM, que comandava o sistema, já o abandonou, por causa de prejuízos de mais de 2 milhões de reis por mês. A outra, que deu continuidade aos serviços, quer entregá-lo também, porque está sofrendo o mesmo tipo de prejuízo. Um sistema  que não funciona, com o preço da passagem defasado, sem investimentos do município em termos de subsídios às empresas; com a maioria das ruas em más condições de trânsito, o que encurta a vida útil dos coletivos; com a concorrência dos carros chamados por aplicativos e dos táxis compartilhados, tudo isso faz com que apenas um milagre possa manter, rentável, alguma empresa que assuma o transporte coletivo na Capital. A chance de ser uma concorrência que se chama de deserta é muito grande.

 

A BOCA SUJA DAS FAKE NEWS

Depois de mais de 30 anos, a Assembleia Legislativa realizou um concurso público no ano passado, ainda na gestão de Mauro Nazif. Um total de 107 concursados foram aprovados. Quando trocou o comando da casa, com a posse de Laerte Gomes como presidente, começou uma campanha de Fake News e fofocas nas redes sociais, afirmando que o concurso não seria homologado e que ninguém seria chamado. Os mesmos psicopatas que inventam notícias catastróficas, que mentem sobre autoridades e que criam invenções assustadoras, não se conformavam que as coisas estejam andando muito bem pelos lados do parlamento. Mais uma vez, suas bocas sujas foram caladas. Na sexta, Laerte, acompanhado de um grupo de parlamentares da atual legislatura e de representantes da passada, promoveu solenidade na ALE, exatamente para assinar a homologação do concurso. Criou também uma comissão que vai tratar do chamamento dos aprovados, na medidas das necessidades. Ou seja, na vida real, na prática, mais um cala boca nos idiotas que vivem alardeando seu mau cheiro pelas redes sociais. Toma-lhe!

 

EMBAIXO D´ÁGUA. DE NOVO!!

Rondônia está debaixo d ´água. E a tendência é piorar, porque ainda teremos pelo menos mais um mês e meio a dois meses de chuvas intensas. Há previsão de que o março que vem aí será ainda pior, em termos de chuvaradas e temporais, do que o foi fevereiro. Na Capital, até esse final de semana, já havia perto de 500 desabrigados, moradores de regiões mais próximas ao rio Madeira. Em algumas áreas, o Madeirão  saiu do seu leito, chegando a quase 17 metros e meio. Na super enchente de 2014, ele chegou a 19 metros e meio, o maior recorde até hoje registrado, com toda a destruição que se viu, embora, felizmente, sem nenhuma vítima. Nessa cheia, menor, por sorte não tivemos pessoas mortas. Num acidente de carro, na sexta, seis pessoas quase se afogaram quando o veículo caiu num riacho. Uma delas ainda corre risco de morte. Jacy Paraná e Nova Mamoré podem ficar isoladas, ainda nessa semana. No interior, cidades como Jaru, Ji-Paraná, Rolim de Moura, Nova Brasilândia, Cacoal e várias outras, as áreas ribeirinhas já estão sob enchente, com grande risco de que milhares de pessoas fiquem desabrigadas. As cheias na Amazônia, nessa época do ano, são comuns. Incomum é que elas acontecem há décadas, mas nunca é feito qualquer trabalho de prevenção, que impeça que tanta gente seja atingida e desabrigada.

 

MUDAR? SÓ PARA OS OUTROS

A previdência está quebrada. Em todo o país. A previdência social brasileira está na UTI, respirando por aparelhos e dentro de pouquíssimo tempo, não terá mais condições de pagar seus aposentados e pensionistas. The End! Se não forem tomadas medidas duras agora, já, antes que se chegue ao meio da próxima década, os milhões de aposentados e os que ainda irão se aposentar até lá, correm o risco de não receberem mais nem um só tostão, simplesmente porque não haverá como pagar a todos. Em Rondônia, o Iperon, que ainda está entre os poucos institutos estaduais que não está quebrado, vai implodir nos próximos dois anos. Ou se muda tudo ou tudo acaba. Mesmo assim, é inacreditável como várias categorias, todas concordando que tem mesmo que mudar, desde que não toque no bolso delas, demonstram claramente que estão se lixando para o futuro do país E da sua previdência. Querem que mude para os outros. Mas ai de quem tocar no seu sagrado dinheirinho! Isso sem contar alguns opositores e sindicalistas antipatriotas, que querem que tudo exploda mesmo, para que eles possam se dar bem e surgirem como salvadores. Como Nação, não existimos mesmo. Nossas castas, principalmente as formadas  no serviço público, exigem reformas. Mas desde que tudo que eles consideram seus direitos, permaneçam intocáveis. Que se reforme para os outros. Uma vergonha!

 

MUDANÇAS NA PREFEITURA E NO GOVERNO

Mudanças à vista, tanto na administração municipal quanto na estadual. Por enquanto, tudo está sendo costurado nos bastidores, porque envolve transformações profundas. Na Prefeitura, estão em andamento as negociações para que os ex deputados federais Lindomar Garçon e Luiz Cláudio da Agricultura assumem postos à frente de secretarias. As conversas estão bem adiantadas e em breve poderão ser anunciadas. Hildon Chaves, contudo, tem mais cartas na manga. Ele poderá fazer, em breve, uma importante mudança na sua equipe, embora o assunto ainda esteja sendo tratado a sete chaves. Somente duas ou três pessoas, além do Prefeito, conhecem detalhes do assunto. Já em nível do governo Marcos Rocha, também haverá ao menos uma mudança importante, nos próximos dias. Tudo, claro, sendo tratado ainda como  segredo de Estado, com o perdão do trocadilho. Tanto Hildon Chaves quanto Rocha têm projetos importantes para tocar em frente, um para mais dois anos, outro para quatro anos e, certamente, afinarão suas equipes dentro das necessidades e dos processos de crescimento de seus governos. Espera-se, em ambos os casos, mudanças para melhor...

 

PERGUNTINHA

Você acredita que ainda possa haver uma saída pacífica para a crise criada pelo ditador sanguinário Nícolas Maduro, na Venezuela ou teme por um conflito armado que pode até envolver o Brasil?

 

 

 

 

 

 

 

Anunciantes

Divulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  Parceiros