Um bem informado membro do grupo tucano sintetizou a situação: “desde que foi anunciada a pesquisa do Ibope, na sexta passada, à noite, houve uma grande mudança na campanha de Expedito Júnior. Nunca vi os tucanos darem tanto duro, correrem tanto atrás do eleitor e do voto. Num só dia, são feitas dezenas de reuniões. É bom a gente avisar que a eleição em Rondônia não está decidida não!” O Ibope deu 26 pontos de diferença para o Coronel Marcos Rocha, do PSL, mas a turma do PSDB e seus aliados fazem questão de colocar os números sob suspeita. ‘O Ibope nunca acertou uma previsão em Rondônia. Errou feio no primeiro turno. Errou feio em relação ao Senado. Está errando de novo!”, disse outro membro da coligação de Expedito. A verdade é que a campanha foi muito intensificada nos últimos dias e, no grupo de “Expediteano” e de seu vice, Maurício Carvalho, não há clima de derrota. Pode até ser apenas uma nuvem passageira, mas que o pessoal do tucanato arregaçou as mangas e partiu para a luta, não há qualquer dúvida.  Marcos Rogério e Mariana Carvalho, dois dos principais nomes do partido, se integrarem com tudo o que podem, buscando reverter uma situação que a pesquisa apontou como extremamente negativa. Expedito ganhou o primeiro turno com mais de 55 mil votos, quase 60 mil de diferença sobre o Coronel Marcos e o sentimento entre muitos dos seus partidários é de que ainda é possível reverter uma situação que parecia já totalmente definida para o lado do candidato do PSL. A batalha dos últimos dias está sim, muito intensificada.  

Já na turma do entorno de Marcos Rocha, a intenção de evitar o clima do já ganhou tem conseguido resultados pífios, porque tem muita gente que já comemora. Menos o próprio candidatado, é claro, que tem afirmado que uma eleição só se ganha depois de contado o último voto. Mas já há sim muita conversa entre os partidários do Coronel, inclusive sobre formação do novo governo. Um dos nomes que já estaria confirmado para ocupar uma pasta numa futura administração do PSL, é o do empresário e ruralista Evandro Padovani, que já estaria definido para a pasta da Agricultura. Ele ocupou o posto durante os mandatos de Confúcio Moura e concorreu a deputado federal pelo PSL. Sua ida para a Agricultura, na linguagem do turfe, é pule de dez. O candidato ao Governo contudo, não confirma nada disso. Outros nomes vindos do MDB também estariam sendo cotados, embora Marcos Rocha não aceite falar sobre o assunto. Diz apenas que formará sua equipe só depois da eleição, se ele a vencer e escolherá pessoalmente seu time, sem ingerências. Da porta para fora, o candidato está fazendo todo o esforço possível para combater o já ganhou, mas da porta para dentro está difícil. São poucos os que, dentro da sigla, não acham que a eleição está ganha. Falta apenas combinar com o eleitor...

 

 

 

ESPAÇO NOBRE NA MÍDIA

Os dois finalistas ao Governo têm tido grandes espaços na mídia, mas certamente nenhum deles nem perto do que lhes oferecem os veículos do Sistema Imagem de Comunicação, via SICTV/Record e emissoras ligadas à Rádio Parecis FM em várias regiões do Estado. Além das sabatinas na TV, no primeiro e segundo turnos, Expedito Junior e Marcos Rocha também têm sido entrevistados pelos Dinossauros, no programa Papo de Redação, o de maior audiência tanto no rádio como na TV, em toda a Rondônia. Nesta terça, por exemplo, o sabatinado por Everton Leoni, Sérgio Pires, Jorge Peixoto e Beni Andrade (com participação especial do médico Fernando Máximo), foi o representante do PSL. O Coronel respondeu às questões apresentadas pelos Dinossauros e por ouvintes da Parecis durante uma hora. Nesta quarta, será a vez de Expedito Júnior. O tucano vai conversar com o grupo de jornalistas e apresentadores e também responderá a questionamentos enviados por ouvintes. Imperdível para quem quer ouvir propostas dos dois candidatos.

 

VISITA A BOLSONARO, NO RIO

Na segunda-feira, Marcos Rocha passou boa parte do dia no Rio de Janeiro. Foi visitar o presidenciável Jair Bolsonaro em sua casa, na Barra da Tijuca, no Rio e, ao mesmo tempo, gravar vídeos para os últimos programas eleitorais. Voltou satisfeito. Já na terça depois do meio dia, os vídeos começavam a viralizar nas redes sociais, mostrando o maior fenômeno eleitoral do país, ao menos das últimas cinco décadas, pedindo voto para o militar da reserva rondoniense, o nome escolhido pelo PSL para concorrer ao Governo. No programa dos Dinos, na terça ao meio dia, Marcos Rocha comentou que o presidenciável está melhorando de saúde, mas ainda tem que usar a bolsa de colostomia, por recomendação médica, o que  limita seus movimentos. O coronel da PM de Rondônia destacou ainda que a segurança em torno de Bolsonaro, deixando claro que há sim uma enorme preocupação contra eventuais novos atentados ao líder nas pesquisas para a Presidência da República. Experiente em termos de policiamento, Rocha comentou que considerou muito bom o esquema de segurança no entorno do presidenciável.

 

O DESESPERO É NOTÓRIO

Em nível nacional, todos os dias o desespero dos perdedores (Rede Globo, boa parte da mídia, lulopetistas, petistas e aliados; a grande maioria dos reitores de universidades federais; encostados e encastelados nos governos, por indicação do petismo; o poste Fernando Haddad e a doidivana Manuel D´Àvila) é notório. Inventam-se factoides, quando os próprios amigos, parentes e admiradores de Jair Bolsonaro não ajudam a criá-los. Calúnias, mentiras, difamação, vitimismo, choradeira barata, discurso falso, conversa pra boi dormir, tudo isso faz parte do pacote do pânico. Não há mais como tirar  a vitória nas urnas de Bolsonaro, que certamente a terá e ainda por cima retumbante. A esquerda, derrotada e sem poder de recorrer aos métodos venezuelanos, mesmo com todas as tentativas que fez, vai tentar num primeiro momento inviabilizar o novo governo, na conversa. Depois partirá para a ação. Não será fácil nos livrar dessa praga que se arraigou nas nossas instituições, como carrapatos grudados nos cofres públicos. Será difícil, mas certamente o Brasil do bem acabará vencendo. Vade Retro, representantes do mal!

 

UMA VERGONHA PARA PORTO VELHO

Usadas durante anos como banheiro público, as bases das Três Caixas D´Agua corriam o risco de algum dia desabar. Corroídas pelo ácido úrico dos mijões e porcalhões, que ao invés de procurarem banheiros, faziam suas necessidades ali mesmo. Imagine-se milhares de pessoas ali concentradas para festas, reuniões, shows, comemorações, usando o mesmo local para jogarem sua urina. Aos poucos, as estruturas de ferro começaram a perder sua força, ao ponto de começarem a se tornar um risco para os usuários da Praça e, enfim, a todos os que passam pelo local, além dos prédios e moradores no entorno da região. Depois de várias denúncias, de intervenção de autoridades, dos bombeiros ao Ministério Público, a Defesa Civil decidiu interditar uma das caixas, a primeira delas, da esquerda para a direita, porque ela pode sim cair, caso sua base se torne tão fraca que não suporte mais o peso do restante do corpo da estrutura. A Prefeitura precisa começar a resolver o problema rapidamente e, se for o caso, isolar as três Caixas D´Água do público, impedindo que os porcos continuem a utilizá-las como mictório. Mais uma vergonha a que nossa Capital é submetida, por causa dessa gente que trata seus monumentos históricos como trata suas casas, ou seja, como lixo.

 

KÁTIA PEDE POR ACIR GURGACZ

“Peço ao Supremo Tribunal Federal, que nunca nos falhou, que nunca tem falhado conosco, que possa fazer essa revisão nesse caso, revisar essa pena monstruosa para um réu primário de boa índole e boa condução, um avalista de uma operação com pena máxima, que está fazendo falta a Rondônia, fazendo falta a este Plenário”. As frases fazem parte do discurso proferido, nesta terça, pela senadora Kátia Abreu, do PDT do Tocantins, pedindo que os ministros do STF revejam a pena aplicada ao senador rondoniense Acir Gurgacz, segundo ela, “totalmente injusta”. Kátia destacou, no seu pronunciamento, que “a situação surgiu do fato de o parlamentar ter avalizado empréstimo para uma empresa de ônibus da sua família em 2004, época em que ainda não se dedicava à política e acrescentou que “nem mesmo o Banco da Amazônia, que concedeu o empréstimo, prestou queixa de irregularidade, considerando quitada a operação”. A senadora foi aparteada por vários senadores, em apoio ao seu discurso, inclusive depois que ela afirmou que “confio plenamente na honestidade de Acir Gurgacz”. O senador rondoniense continua recorrendo a uma condenação por crime contra a economia nacional, que ele considera absurda e injusta.

 

CHEGA DE TANTA ELEIÇÃO!

Muita coisa está mudando no Brasil, mas não o fato de que, a cada dois anos, tudo para no país, porque passamos a viver sempre em torno da política e da próxima eleição, como se não tivéssemos mais nada para fazer. Nosso país está passando por uma das maiores crises econômicas, de falta de segurança, do lava mãos do Congresso Nacional, que assiste, passivo, à tomada das cidades pelo crime organizado: vivemos uma enorme crise moral, mas, a prioridade é a eleição que vem daqui a pouco. É necessário que se aproveite essa grande transformação que a ampla maioria dos brasileiros vai confirmar nas urnas, neste próximo domingo, para cobrar do novo governante e do novo Congresso, uma reforma política urgente, com prioridade para mandatos mais longos e eleições gerais de cinco em cinco anos, para todos os cargos. Isso ajudaria o país em tudo, inclusive diminuiria os custos e o volume de gente e mudanças a cada dois anos nas leis eleitorais. A própria Justiça Eleitoral ficaria sem utilidade, podendo passar toda a sua estrutura à Justiça comum e apenas atuando quando se concluísse um quinquênio. Chega de tanta politica. O país não aguenta mais!

 

PERGUNTINHA

Alguém ai ainda aguenta tanta política, tanta campanha, tanta discussão, tanta prioridade apenas a um assunto, como vivemos os brasileiros, a cada dois anos?

Parceiros

Divulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  Parceiros