O Primeiro Comando da Capital, o famigerado PCC, anuncia uma campanha nacional para cooptar novos membros. A meta é trazer para o crime um novo “irmão” a cada hora. No final do ano, serão milhares de novos integrantes da maior, mais organizada, mais cruel e mais terrível organização criminosa que atua em todo o Brasil, inclusive aqui em Rondônia. Todos os atuais membros e os novos, pagarão com suas vidas, caso não sigam rigorosamente os estatutos do Comando. O PCC quer rivalizar em tamanho e poderio com o CV, o Comando Vermelho, outra organização muito poderosa que, em algumas regiões do país, como em Rondônia, ainda é maior.  De dentro dos presídios, inclusive os de segurança máxima, como o de Porto Velho, os chefões de várias facções comandam o crime. Determinam tudo e suas ordens são obedecidas cegamente. O crime não está isolado da sociedade. Pelo contrário, está ligado umbilicalmente a ela, na medida em que se organiza nas cadeias e, de dentro delas, dita e impõe suas regras, suas normas. E decide quem deve viver e quem deve morrer. Hoje, segundo levantamentos oficiais, existem nada menos do que 83 facções criminosas atuando dentro dos presídios brasileiros. Matam-se entre si, esses facínoras, o que aparentemente não significa perdas para a sociedade. Só aparentemente. Porque os que sobrevivem ficam cada vez mais poderosos e cada vez mais duros e cruéis. A vida dos outros, para eles, nada significa.   A bandidagem de dentro das cadeias, dando as ordens e a bandidagem, do lado de fora, as cumprindo. Esse é o jogo mortal, resumindo como funciona o falido e destruído sistema prisional brasileiro.

E o que está sendo feito para combater tudo isso? Há uma mobilização nacional de autoridades de todos os naipes; de todos os poderes, do governo central e dos Estados; das polícias em todos os níveis, para acabar com essa ameaça real à destruição da nossa sociedade?  Todos sabemos a resposta. O que existe, de concreto, é a ação dos defensores dos direitos humanos dos bandidos, inclusive com apoio de parte da mídia, vociferando contra qualquer ação que possa ir contra a organização que eles mantém dentro das cadeias. O que existe, de concreto, é que o crime organizado começa a investir pesado em políticos que possam defender seus interesses, nos parlamentos. De real, mesmo, só ações de benemerência aos bandidos; de leis que os protejam e que impeçam a sociedade de reagir à altura da violência a que é submetida. É por isso que discursos extremistas, como o do presidenciável Jair Bolsonaro, acabam mexendo tanto com os brasileiros. Que não suportam mais ver o crime organizado tomando conta do País, sem que suas autoridades, do Executivo, do Legislativo, do Ministério Público, do Judiciário e de todas as áreas, entre os que poderiam fazer alguma coisa, continuarem apenas fazendo belos discursos, cada um dizendo que está cumprindo a sua parte, mas permitindo, na prática, que os bandidos assumam o controle de muita coisa neste país. Agora é a  hora de reagir. Antes que seja tarde demais.

 

 

 

 

O PT SE DECIDE

O PT realiza nesta quinta sua convenção, em Porto Velho. O partido está dividido entre duas posições. Parte quer ter candidatura própria (e aí o nome será o do jornalista Paulo Benito) e parte quer fazer alianças, apoiando provavelmente Acir Gurgacz, para receber, em troca, uma possibilidade do segundo voto dos esquerdistas que compõem a coligação de Acir, para a candidata ao Senado, Fátima Cleide. É ela a única e principal preocupação do partido, que, sabendo das enormes dificuldades eleitorais que terá, imagina que, concentrando todo o esforço em Fátima e mobilizando a militância, poderá dar a ela a chance de voltar a ocupar uma cadeira senatorial. O PT lançará também vários nomes para a Câmara Federal e uma nominata de pelo menos dez postulantes à Assembleia. Suas maiores chances são do ex Padre Ton, que pretende voltar ao Congresso, via Câmara Federal e, no parlamento estadual, a reeleição de Lazinho da Fetagro, seu presidente regional, que teve um primeiro mandato muito positivo.

 

LÉO MORAES FECHARÁ COM O MDB?

Várias convenções estão marcadas até domingo.. Além da do PT, nesta quinta, entre várias outras, tem a da Rede, sexta, no Senac. O PR realiza a sua em Ariquemes, no sábado e o PRB se encontra no Kabana´s, em Porto Velho, também no sábado, às 15 horas. Já o PV, comandado por Luizinho Goebel, que busca a reeleição como deputado estadual por Vilhena, tem encontro marcado domingo, a partir das 8 horas da manhã, na Assembleia Legislativa. No sábado, 9h horas, tem o encontro do PSOL, na sede do partido, na rua Miguel Chaquian. No mesmo domingo, também na Capital, mas no Bingool Clube, 9 horas  da manhã, Léo Moraes comanda a convenção do Podemos. É uma das mais esperadas, porque deverá definir os rumos que o próprio Léo, a maior  - única? – liderança da sigla vai tomar. Cotado, em todas as pesquisas, para ocupar uma cadeira na Câmara Federal, o jovem político não conseguiu formar uma nominata que o ajude a chegar lá. O que se ouvia nesta quarta, é que Léo se aliaria ao grupo do MDB, levando toda a sua força política para o partido que já tem Marinha Raupp e Lúcio Mosquini como entre os mais fortes para se reelegerem. Outro nome cotado para aliar-se aos emedebistas como candidato a federal é o conhecido Pastor Valadares. Tudo, por enquanto, é  apenas conversa. O martelo ainda não foi batido.

 

AS ASAS CRESCIDAS DO PRB DE GARÇON

É bom que se fique de olho e não se subestime a força do Partido Republicano Brasileiro, o PRB, nascido e criado com todo o apoio dos evangélicos da Igreja Universal. É o partido que mais tem crescido no país. Sua bancada federal já conta com 22 deputados federais e dois senadores. Elegeu Marcelo Crivela como prefeito do Rio de Janeiro, a segunda maior e mais importante cidade do país. Também em Rondônia o PRB se expande Tem o deputado federal Lindomar Garçon, candidatíssimo à reeleição e dois deputados estaduais (Alex Redano, de Ariquemes e Ezequiel Júnior, de Machadinho do Oeste), que também vão em busca de mais um mandato. Além disso, vai lançar o vereador Edésio Fernandes, pastor da Universal e experiente político, com vários mandatos inclusive em cidades do interior de São Paulo, como seu nome do partido ao Senado. Na convenção deste sábado à tarde, no Kabana´s, Garçon, Edésio e sua turma vão decidir também se caminharão sozinhos ou ainda se aliarão a algum partido. A única possibilidade aberta ainda, entre os grandes partidos, seria uma aliança com os tucanos de Expedito Júnior, que só tem um candidato ao Senado (Marcos Rogério) e poderiam abrir a segunda vaga para Edésio. Sabe-se que até essa quarta, as conversas entre os dois grupos estavam avançadas. Mas a confirmação oficial, se ocorrer, será mesmo só na convenção do partido, nesse sábado. Caso fechasse, a coligação iria com três nomes muito fortes para a disputa da Câmara: Mariana Carvalho, Expedito Netto e o próprio Garçon. Conseguiria eleger os três?

 

EXPEDITO FALA COM OS DINOS

Nesta sexta-feira, o ex senador Expedito Júnior vai falar pela primeira vez como concorrente ao Governo, já que seu nome deve ser homologado pela convenção do PSDB, do DEM e do PSD neste domingo, na Fimca. Expedito vai participar do programa Papo de Redação, com os Dinossauros do Rádio, uma das atrações da mídia rondoniense com maior audiência em todo o Estado. Dois dos candidatos já estiveram no programa, uma das maiores atrações na  Rádio Parecis FM (do meio dia às 14 horas, de segunda a sexta e do meio dia às 14 na SICTV/Record, aos sábados): Acir Gurgacz e Maurão de Carvalho. Até a eleição, todos os principais candidatos deverão também estar com os “Dinos”, já que o programa dará espaço igual a todos, não só porque essa é uma política da empresa que o abriga, como para cumprir as orientações da Justiça Eleitoral. No encontro desta sexta, Expedito vai falar publicamente pela primeira vez sobre sua opção de disputar o Governo e não o Senado e dos seus planos para buscar a vitória nas urnas, em sua segunda tentativa de ser Governador de Rondônia. Isso se nada mudar até lá....

 

BOLSONARO EM RONDÔNIA

Pesquisas internas dos partidos, de grupos e de políticos, individualmente, são realizadas todos os dias. Poucas são registradas na Justiça Eleitoral, porque a intenção delas não é a divulgação, mas conhecer o pensamento do eleitor nesse momento. No quadro estadual, as coisas ainda não estão claras. Mas já na questão da disputa presidencial, todas as pesquisas, sejam oficiais ou não, apontam para o nome de Jair Bolsonaro como o preferido na grande maioria das cidades rondonienses. Em algumas, com percentuais surpreendentes. Lula vem bem atrás. Em terceiro, pelo menos em duas dessas pesquisas internas, vem o “Não Sei” e em quarto lugar, o voto em branco. Só a partir daí é que entram os demais postulantes. Claro que é uma posição do momento, em que a campanha sequer começou. Mas que a realidade de hoje é essa, poucos duvidam. Bolsonaro surge no cenário político do Estado como o que larga na bem à frente. Contudo, tem ainda muita campanha pela frente. Com apenas oito segundos na propaganda eleitoral gratuita, ele certamente perderá muito espaço para outros candidatos, como o tucano Alkmin, que terá 12 vezes mais tempo que o representante do PSL.

 

RENOVAÇÃO OU REELEIÇÃO?

Nas redes sociais, só se fala em renovação na política. Centenas e centenas de candidatos se apresentam, pedindo apoio por serem “novos”, por apresentarem novas ideias e serem o caminho para as verdadeiras mudanças, como se autodeclaram.. Isso vem de longe. Mas o que diz a vida real? Só para se ter ideia, na última eleição, mais de 70 por cento dos atuais deputados federais foram reeleitos. A história da renovação era a mesma de hoje, praticamente. Numa campanha rápida como a atual, a tendência é que não haja uma eleição, mas sim uma reeleição, já que o eleitor poderá se posicionar a favor dos nomes de quem já conhece e não de desconhecidos. É apenas uma teoria, claro, porque as urnas sempre podem surpreender, mas ela está encaixada na realidade dos últimos pleitos. Noventa por cento dos atuais deputados federais são candidatos á reeleição, alguns pela terceira ou quarta vez. Em Rondônia, a Assembleia Legislativa tem sido um pouco diferente. A renovação tem sido bastante alta. Na última eleição, chegou mais de 70 por cento. Mas já nessa legislatura, onde o parlamento funcionou bem e teve muitos destaques, esse percentual deve baixar bastante. Enfim, são apenas teorias e ilações. Vamos ver depois que as urnas forem abertas, o que elas mostrarão...

 

PERGUNTINHA

Geraldo Alkmin, Ciro Gomes, Jair Bolsonaro, Marina Silva, Joao Amoêdo, Álvaro Dias, Guilherme Boulos ou Lula (se ele sair da cadeia e puder ser candidato): você já sabe em que votaria para ser o novo Presidente do Brasil?

 

Parceiros

Divulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  Parceiros