Tribunal de Contas do Estado está saindo do casulo e entrando numa nova e importante fase de relacionamento com a coletividade. Depois de longo tempo de isolamento e até de falta de interação, o importante órgão de fiscalização dá passos concretos em direção a uma maior transparência, mas, mais que tudo, à participação decisiva em ações que beneficiam toda Rondônia. Nos últimos dias, as presenças de importantes conselheiros na mídia, como o presidente Edilson Souza da Silva e do ex secretário da Fazenda e um dos mais destacados membros da Corte, Benedito Alves, deixaram claro que o TCE tem muito a compartilhar com a população; que pode ajudar muito a cuidar do dinheiro público e, ao mesmo tempo, evitar que sejam jogados na lata do lixo, por desvios ou por incompetência, milhões de reais que poderiam ser muito melhor utilizados pelos administradores de todos os setores. Se poderia destacar inúmeras performances dessa nova fase. Comecemos pela criação, dentro do TCE, por técnicos especializados contratados através de seleção rigorosa, do aplicativo Opine Aí, com o subtítulo de Tô no Controle, que  possibilita ao cidadão acompanhar e até dar nota de aprovação ou reprovação de todos os serviços públicos, em todos os níveis. É uma inovação espetacular, que inclusive começa a ser procurada por outros Estados. Vai ser, sem dúvida, uma criação rondoniense a ser copiada país afora. Outro destaque é um projeto criado pelo conselheiro Benedito Alves, para aumentar muito a arrecadação dos municípios e do Estado, através de medidas simples, com custo zero. Os resultados na maioria das cidades rondonienses já são claros. Vale a pena conhecer tais projetos, porque nascidos de dentro de um órgão estatal, demonstram que ainda há sim, luz no fim do túnel, no contexto da ineficiência e da leniência com que a maioria do serviço público atende o contribuinte e seus interesses.

Durante destacada participação no programa Papo de Redação na SICTV/Record (sábados, meio dia às 13h45, em rede estadual), o presidente Edilson Silva falou sobre tudo, abertamente. E contou do duro trabalho do TCE em tentar corrigir projetos, muitos deles feitos quase com amadorismo, feitos nas coxas, com superfaturamento e que, caso não passassem pelo crivo do Tribunal de Contas, causariam enormes prejuízos aos cofres públicos. Há centenas de exemplos. Só um deles, para ilustrar: num projeto de instalação de sistemas de ar condicionado num determinado órgão do Estado, o custo apresentado era de 22 milhões de reais. Isso mesmo. A ação do TCE obrigou às correções e o mesmo serviço acabou sendo feito por 9 milhões de reais. Se poderia falar muito mais, mas só por isso já se compreende, então, a importância do TCE. Enfim, o importante órgão de controle saiu da casca e dá início à uma nova fase, em que se interliga diretamente com a comunidade. Golaço, se formos usar a linguagem do futebol!

 

 

 

UMA VITÓRIA NA TRANSPOSIÇÃO

Até que enfim, uma boa notícia no caso da transposição. Nesta segunda, a presidente do STF, ministra Carmem Lúcia, voltou atrás sobre sua decisão anterior e, finalmente, deu ganho de causa a Rondônia, no caso dos 706 policiais e bombeiros que haviam sido retirados a fórceps da folha de pagamento da União. Com a decisão, muito comemorada pelo pessoal do Governo, da Procuradoria e por toda a bancada federal, os policiais, a maioria deles de gente aposentada e que estava já há pelo menos três meses sem receber um só centavo – porque tinham sido extirpados dos pagamentos da União e não recebiam do Estado, já que nele não estavam mais registrados – pelo menos agora têm um rumo em termos de futuro. Tem que se destacar as conversas de representantes rondonienses, tanto do Governo, liderados por Daniel Pereira, quanto do Congresso, com a própria Carmem Lúcia, quando ela ocupou interinamente a Presidência da República e recebeu nossos representantes para tratar do assunto.  Por fim, a própria ministra presidente do Supremo merece todos os elogios, porque corrigiu uma grande injustiça. Tomara que daqui para a frente, as questões da transposição sejam tratadas corretamente, tanto em nível de Governo Federal quanto da Procuradoria Geral da República e do Judiciário, como um todo. Uma grande vitória, enfim, entre tantas más notícias...

 

PACIENTES APAVORADOS

Um exame cardíaco para quem vai fazer cirurgia ou precisa avaliar seu quadro clínico do coração, está deixando vários pacientes preocupados. Eles precisam ser atendidos no setor específico do Hospital de Base. Acontece que, como é comum no serviço público, a única funcionária que pode fazer o exame não está trabalhando, por licença maternidade. Não se sabe quando voltará ao trabalho. O que não se compreende é que não há, ao menos segundo várias denúncias feitas por pacientes, qualquer outro profissional para substituir a médica licenciada. O exame é um ecocardiagrama transofágico e pelo menos dez pacientes procuraram a imprensa para reclamar que estão apavorados, porque precisam do resultado do exame e não há qualquer previsão de quando ele será feito. É fundamental que a direção do HB tome medidas urgentes para substituir a profissional licenciada, já que os que precisam do exame são pessoas geralmente pobres e, na rede particular, ele custa nada menos do que 500 reais. Será que é correto deixar uma só pessoa para cuidar de um tipo tão específico e importante de exame cardíaco? Que as autoridades responsáveis respondam...

 

O MDB LANÇA SEUS NOMES

O MDB está preparando uma grande festa para o próximo dia 12, um sábado, a partir das 9 horas da manhã, na casa de shows Talismã, em Porto Velho. A intenção é mobilizar a militância de todo o Estado para o lançamento das pré candidaturas de Maurão de Carvalho, ao Governo; de Confúcio Moura e Valdir Raupp ao Senado e uma longa nominata para a Câmara Federal e Assembleia Legislativa. O convite, que já está nas redes sociais, informa ainda que será anunciado também o candidato a vice governador, na chapa a ser liderada por Maurão, embora o nome do  personagem ou da personagem, ao menos até agora, não tenha sido comentado nem nos bastidores do partido. O MDB quer fazer muito barulho para lançar seus nomes para as eleições de outubro. Está mesmo fechado em torno do nome de Maurão de Carvalho para o Governo e essa decisão é irreversível. Assim como o é a que definiu que o partido terá dois nomes peso pesados para as duas vagas ao Senado. Confúcio e Raupp vão juntos para os palanques em todo o Estado, acertou o partido. A partir daí, começa a corrida em direção à convenção, que deve ser realizada em junho, quando só aí se definirão todas as candidaturas, que por enquanto ainda são apenas pré!

 

O SUCESSO DA POLÍCIA DE PIMENTA

De vez em quando, no noticiário nacional, nos dão algum espaço para algo que não seja negativo. É raro, mas acontece. Nos últimos meses, Rondônia andou pela mídia brasileira como um dos raros Estados que não estão quebrados e que ainda tem condições de investir, enquanto a grande maioria está vivendo na penúria, por mal administrados. Neste último domingo, foi a cidade de Pimenta Bueno, no extremo sul do Estado, que apareceu como um destaque positivo no programa Fantástico, um entre os de maior audiência na TV brasileira. Lá, a polícia esclareceu 82 dos 83 assassinatos registrados nos últimos tempos. Quase 99 por cento, ou seja, um recorde nacional, em um contexto em que a grande maioria dos crimes de morte jamais chega aos autores. Um dos destaques da reportagem foi o delegado Juarez Lourenço, que explicou que esse resultado é alcançado porque a polícia começou a investigar tão logo seja comunicada e não deixa nada para depois. Os 83 homicídios aconteceram em oito anos, ou seja, menos de um homicídio por mês. Mesmo assim, é um dado que impressionou o país inteiro.

 

RURAL SHOW: 700 MILHÕES

E Ji-Paraná se prepara para mais uma edição da Rondônia Rural Show, em sua sétima edição, que será realizada  neste mês de maio, de 23 a 26. Numa área de 50 hectares, que começou a ser utilizada no ano passado, a feira começa a ser preparada, com uma previsão de faturamento superior a 700 milhões de reais, cerca de 80 milhões a mais do que a do ano passado. Neste ano, a exposição terá espaço para 230 expositores comerciais (máquinas e equipamentos); currais para 200 animais, com espaço dividido para 40 expositores da área de pecuária;  participação de oito adidos comerciais de países como Bolívia, Peru e Angola; 18 empresas expondo na área de vitrine; 100 espaços são destinados à agroindústria; e 90 estandes – todos reservados – serão ocupados por expositores de artesanatos. Ou seja, a tendência é que a Rondônia Rural Show, que já é a maior feira do setor do norte e a oitava do país, cresça ainda mais neste 2018. O governador Daniel Pereira anda comemorando o sucesso do evento, mesmo antes de sua realização. É uma das grandes conquistas do agronegócio rondoniense, consolidado e em crescimento constante. Vale a pena acompanhar de perto.

 

 

UMA VERGONHA PARA O JORNALISMO!

Os jornalistas decentes deste país, aqueles que honram sua profissão e fazem dela uma missão de vida – e que formam a grande maioria dos profissionais da área – certamente morreram de vergonha e constrangimento com a cena de um sindicalista, usando uma camiseta do MST, “orientando” um jornalista da Rede Record de Televisão a não gravar cenas num acampamento pró Lula, em Curitiba. Ora, por que a vergonha? O motivo é simples. O desvairado que ameaça um jornalista é ninguém menos do que o presidente do Sindicato dos Jornalistas do Rio Grande do Sul. Isso mesmo! Travestido de sem terra, o dirigente de uma entidade que deveria ser respeitada e deveria não só respeitar, mas muito mais valorizar o trabalho dos seus companheiros de profissão, teve a ousadia de ameaçar o jovem repórter. Depois, ainda teve a petulância de mentir, mesmo com as cenas lamentáveis a que todo o país assistiu, de assinar uma nota do sindicato que ele mesmo preside, para dizer que não ameaçou o colega, mas o estava protegendo de ser atacado por ativistas pró Lula. Como centenas de outras entidades e sindicatos, o do jornalistas do Rio Grande também se transformou num centro petista, protegendo os seus e tratando os que não pensam iguais como inimigos. Uma coisa dessas não da vontade de vomitar?

 

PERGUNTINHA

Quem será que sustenta os que não trabalham, não estudam, não têm renda e nada fazem, mas que continuam em acampamentos criados em Curitiba, para apoiar um presidiário acusado de vários crimes, que está cumprindo pena?

Parceiros

Divulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  Parceiros