Duas categorias profissionais, uma mais desesperada, tentando uma saída para sobreviver num mercado altamente competitivo e outra, unida em torno do seu poderoso sindicato, tomaram importantes decisões nesta terça. Por enquanto, nenhuma das duas pode comemorar vitória. A primeira delas foi a dos professores, que decidiram radicalizar na greve, iniciada desde quando o ano letivo deveria ter aberto as salas de aulas  neste ano. Mesmo que a Justiça tenha considerado a greve ilegal e imputado uma multa de 100 mil reais/dias ao Sintero e outros 3 mil reais/dia para cada um dos diretores do sindicato, caso a paralisação fosse mantida, a categoria decidiu continuar parada, deixando milhares de estudantes sem aula. Segundo a repórter da SICTV, Anayr Celina, que acompanhou a assembleia dos professores, ouviu quando foi dito que o Sintero venderia seu patrimônio, se necessário, para pagar as multas, mas não desistiria da greve, enfrentando a decisão judicial de peito aberto.  Rolo dos grandes, embora tanto o sindicato quanto seus dirigentes apostem que, quando acontecer o acordo – e um dia desses vai acontecer – uma  das cláusulas a serem exigidas é que todas as punições sejam anuladas. A Justiça topará o mesmo do mesmo? Vamos ver mais adiante. A outra categoria, não tão volumosa, mas bem mais pressionada (porque não está conseguindo sobreviver com a concorrência dos aplicativos e dos mototaxistas), que decidiu agir no mesmo dia, foi a dos taxistas. Grande número deles ocupou a Câmara de Vereadores durante todo o dia, exigindo a votação de uma lei que permitisse que eles continuassem trabalhando no sistema compartilhado, uma espécie de lotação, que está fazendo sucesso entre o público, mas que é ilegal, tanto para a Prefeitura, quanto para a Justiça. No final do dia, frustração geral, já que o projeto não pode partir da Câmara, mas apenas do Executivo. Se dependesse dos vereadores, a maioria pré candidata à deputado estadual e loucos pelos votos da categoria e seus familiares, a lei já estaria aprovada e em vigor. Mas a legislação não permite que as coisas sejam assim. Portanto, o  assunto vai longe ainda, até porque o Consórcio SIM, dos ônibus e seus trabalhadores (motoristas e cobradores) vão guerrear também para que a proposta não seja aprovada.

No meio disso tudo, fica a população. Na área da educação, as famílias não sabem quando suas crianças e jovens voltarão aos bancos escolares, até que Governo e professores cheguem a um acordo.  No caso do transporte, enquanto há uma batalha legal, o povão tenta achar formas de pagar menos, de andar mais, de ter transporte de mais qualidade.  No final das contas, acaba se tornando realidade, infelizmente, a frase pessimista deste colunista, que pode muito bem ser adequada ao povão: “não importa quem ganhe, eu vou sair perdendo!”

 

 

A INDECISÃO DE EXPEDITO

O Partido da República realizou encontro em Rolim de Moura, no final do semana, para tratar das eleições de outubro. O partido é comandado pelo deputado Luiz Cláudio da Agricultura e está aliado ao PP, ao PSD, ao PROS e provavelmente o estará ao PSDB, caso as conversações que estão sendo feitas sejam confirmadas. Tanto que na reunião do PR, os principais discursos foram os do senador Ivo Cassol, nome do grupo político para disputar o Governo e o do ex senador Expedito Júnior. Em sua fala, Expedito repetiu várias vezes que seu candidato, por enquanto, é Ivo Cassol. Disse que teria inclusive o aval do diretório do seu partido, presidido por Mariana Carvalho, com quem garante ter conversado sobre o assunto. Mas, além de destacar o apoio a Cassol, Expedito não descartou a própria candidatura ao Governo e nem ao Senado. Ou seja, como bom tucano, mantém-se em cima do muro. Dentro do tucanato, aliás, há muitas vozes que acham que é muito cedo para tomar decisões definitivas. A aliança PP-PR-PSD- PROS e outros partidos está formada, mas a presença do PSDB nela ainda é apenas uma possibilidade. Bastante viável, mas, nesse momento, não mais que uma possibilidade.

 

MAURÃO E VINICUS  ESTÃO PRONTOS

Já Maurão de Carvalho, na verdade o único pré candidato entre os dos grandes partidos já postado, porque  os demais ainda dependem ou de decisões judiciais ou de fechamento de alianças, anda pelo Estado consolidando seu nome. Maurão está firme na briga pela cadeira de Confúcio Moura, mesmo depois de todas as dificuldades que tem enfrentado, inclusive dentro do seu partido, o MDB.  Por onde anda, nessas terras de Rondon, tem ouvido apoios, incentivos e nas pesquisas é notório seu crescimento. Outro nome também já confirmado para a disputa, dependendo apenas ainda da convenção é o do professor Vinicius Miguel, da Rede de Sustentabilidade, partido liderado por Marina Silva. Ivo Cassol, que lidera as pesquisas e Acir Gurgacz vão depender ainda de decisões da Justiça Eleitoral para poderem entrar na disputa. Daniel Pereira ainda é uma incógnita, embora pareça cada vez mais certo que ele assumirá o Governo em 7 de abril, por nove meses e daí com chances concretas de ir à reeleição. Expedito Júnior ainda é dúvida. Mariana Carvalho não quer e mesmo que quiser, terá que conseguir apoio da turma de Expedito, que tem todos os votos do partido na sua mão. José Guedes exige ser o nome tucano ao Governo, mas não tem votos no diretório. O PT ainda não definiu se terá ou não candidato. Héverton Aguiar até agora não decidiu sobre se concorre ou não. Ou seja, a confusão está formada. A tal ponto que, se a eleição fosse hoje, apenas os nomes de Maurão e Vinicius poderiam estar na urna eletrônica. Mas, claro, tudo vai mudar em breve!

 

FOI RAPIDINHO!

Não durou uma semana. A nova tentativa do Contran de impor ao contribuinte brasileiro mais uma cobrança esdrúxula, caiu por terra, antes mesmo de começar a assacar contra o nosso bolso. O tal curso de 10 horas, com prova escrita, a nova excrescência inventada para nos afanar, foi proibida pelo Ministério das Cidades. A grande reação nas redes sociais, mas também críticas vindas da OAB e de vários especialistas, derrubaram a intenção dos burocratas de impor aos proprietários de veículos do país, mais uma daquelas vergonhosas cobranças. Na renovação da Carteira de Habilitação, caso a nova norma agora cassada fosse mantida, gastaríamos mais algo em torno de 650 reais. O governo poderia aproveitar o evento catastrófico para sua imagem e fazer uma limpeza no Contran, tirando dela todos os incompetentes que criaram essas maluquices, incluindo o kit de primeiros socorros e a obrigação de uso de um tipo mais caro de extintor de incêndio. Fora com essa gente!

 

OS CHINESES TOMAM CONTA

Os chineses estão chegando. Querendo dominar em todas as áreas que puderem. Comprando empresas Brasil afora. Negociando a compra da hidrelétrica de Santo Antônio e muito perto de fechar o negócio. E, agora, entrando também na área da educação.  O grupo Glory Top, de Hong Kong, arrematou o lote das unidades em Porto Velho e Ji-Paraná, além de Manaus; Itumbiara, em Goiás; Palmas, no Tocantins e Santarém, no Pará. Os poderosos grupos econômicos chineses estão espalhando seus tentáculos por vários países e, no Brasil, a situação não é diferente. Setores de energia, logística e agricultura atraíram o maior volume de capital chinês, incluindo investimentos nos campos de petróleo do pré-sal. O principal acionista dessas grandes organizações é o governo da China, formando poderosas corporações que dominam setores inteiros. Na área da educação, o negócio da Ulbra é um dos primeiros. A Ulbra está quebrada há anos e vivia respondendo ações em todo o país. Não tinha mais como sobreviver. A venda ao grupo Glory Top salvou a pele da instituição.

 

QUARENTA POLÍTICOS MORTOS

Antes da vereadora carioca do PSOL, brutalmente assassinada por pistoleiros, é bom que se saiba que pelo menos 40 políticos foram mortos Brasil afora, em menos de 15 meses. Dois deles são de Rondônia. Por aqui, os mortos foram o prefeito de Candeias do Jamary, Francisco Souza, o Chico Pernambuco e o ex vice prefeito de Ministro Andreazza, Neuri Carlos Persch.  Em várias regiões do Brasil, prefeitos, vices, vereadores foram vítimas de criminosos. Na maioria dos casos, eles estão longe de serem solucionados.  A morte da vereadora do PSOL do Rio foi transformada numa tragédia nacional pela esquerda e lamentavelmente comemorada pela direita, como se um crime desses tivesse conotação e coloração políticas. A verdade é que foi mais uma tragédia nesse país onde os bandidos tomaram conta e num Estado, o lindo Rio de Janeiro, que vive uma guerra civil há quase duas dúvidas, tratada como se fosse algo normal. Lembremo-nos: no ano passado, 5.480 cariocas foram brutalmente assassinados. Em nenhum dos casos, houve comoção  e forçação de barra da grande mídia (com suas redações dominadas pela esquerda), como no da Marielle Franco, do PSOL.

 

OS BÊBADOS À SOLTA

O que anda acontecendo com os motoristas porto velhenses?  Somente em duas noites,  no final de semana,  em blitz realizadas em diferentes pontos, nada menos do que 55 condutores foram flagrados no trânsito depois de ingerirem bebidas alcóolicas. Na maioria dos casos, o volume de álcool ingerido era pequeno, embora mesmo assim passível de todas as punições. Mas houve também detenções de motoristas em estado de calamidade, por terem bebido exageradamente e ainda assim, se arriscado e arriscado a vida dos outros, dirigindo pelo conturbado trânsito da Capital. Mesmo com todos os avisos e alertas, os bêbados ainda ignoram a lei e tentam andar por aí, correndo o risco de matarem alguém ou morrerem. Quando pegos, são detidos, pagam fiança para sair da cadeia, uma multa de 2.935 reais e ainda perdem o direito de dirigir por um ano. Agora tem mais uma reação policial: investigações estão procurando, nas redes sociais, quem avisa, através de aplicativo, os pontos de blitz. Eles serão processados e denunciados à Justiça.

 

PERGUNTINHA

Depois do enorme tempo de TV que a Rede Globo destinou ao tema e os espaços dedicados ao assunto pelos  principais jornalões e sites do país, exaltando todas as incríveis qualidades da  vereadora Marielle Franco, não seria o caso de começar a pensar na canonização dela? 

 

 

 

 

 

 

 

Parceiros

Divulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  ParceirosDivulgação de  Parceiros